quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Desarmada

Desculpem o tema mas é para atingir a parte que interessa.

O B. tem muito (infelizmente) a mania de meter os dedos no nariz.
Acho que ele é como eu, não gosta de sentir o nariz ocupado, mas enquanto eu limpo com água ou papel, ele utiliza os dedos para fazer a limpeza.
Já por duas vezes teve que tomar antibiótico pois fez uma ferida que infectou e originou um impetigo.
Sempre que o vemos de dedo no nariz, repreendemo-lo.
Mais uma vez, conseguiu fazer uma ferida na ponta do nariz. Estou a colocar bacitracina para secar mais rápido. Estava quase bom.
Digo quase pois ontem foi ter comigo à sala com o pontinha do nariz em carne viva, os dedos com sangue e como se não fosse nada com ele.
Pela 1000ª vez, disse-lhe que não podia ser, que qualquer dia lhe caía o nariz, que se continuasse a fazer aquilo tinhamos que ir ao hospital, etc, etc. Usei argumentos fortes para ver se ele apanha algum medo e perde a mania.
Lavei-lhe a cara e as mãos e mais uma vez coloquei-lhe a pomada.
Deitou-se na minha cama a ver o Disney Channel. Passado uns dez minutos, fui vê-lo.
Quando cheguei ao quarto perguntou-me:
"- Mãe, estás zangada comigo?"
Desarmou-me. Fiquei sem palavras, sem saber o que responder pois perguntou aquilo de uma forma triste como se estivesse decepcionado com ele próprio. Nunca o tinha perguntado.
Respondi-lhe que não estava zangada mas sim triste com ele pois sabia muito bem que estava a fazer mal e continuava. Sabia bem que eu estava sempre a avisá-lo e ele não ligava importância às minhas palavras.
Parece que ficou mais aliviado pois a mãe não estava zangada. Aconcheguei-o. Dei-lhe o beijinho de boa noite e lá ficou.
O meu filho não sabe distinguir o zangada, do triste, do decepcionada, do angustiada. Pelo visto para ele desde que a mãe não esteje zangada, está tudo bem.
Tenho que lhe transmitir que não é só o estar zangada que interessa, tenho que lhe transmitir que por vezes as suas acções me deixam triste e ele não as deve fazer. Tenho ainda tanta coisa para lhe transmitir...


Fica aqui a prova do crime

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Para a Sofia

A nossa amiga Sofia, como todos vós devem saber, estar a passar um momento dificil.
O seu piolhito foi operado e como devem imaginar, isso afectamos psicologicamente e fisicamente de uma maneira que só quem passa por isso dá o valor correcto (já tive essa experiência, não de uma operação mas sim de um internamento de uma semana com uma broncopneumonia aos 2 anitos).
Ela tem sido muito forte e uma Grande Mulher e Mãe, tem aguentado quase tudo sozinha pois o Rui está a trabalhar e não pode dar a atenção necessária e precisa.
Uma das suas amigas decidiu criar uma corrente de solidariedade para a Sofia e entrou em contacto comigo.
Por isso, não podia virar as costas. Deixo aqui a minha admiração, o meu apoio, o meu carinho, a minha amizade, a minha ajuda se for precisa, o meu coração.


Beijinhos Linda

Quem quiser é só pegar e usar.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Uma Luz ao fundo do Túnel II

Hoje dei mais um passo para tudo se resolver mas com alguma decepção no meio.
Assim em vez de 15 dias poderá levar 3 ou 4 semanas mas o que interessa é que está a andar e já não podemos voltar atrás.
Tenho a sensação que no dia que fizer um ano, resolve-se tudo.
Mas desde que fique tudo em condições, quem esperou 11 meses pode esperar mais umas semanas.

Resposta



Pois é, as meninas acertaram!
De Homem-aranha!
Tal é qual como o
ano passado.
Mas se ele fica feliz assim porque o hei-de contrariar.
Ele já sabe bem o que quer e ele é que é a criança e não nós.





sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Contador

Não sei o que aconteceu ao meu contador de visitas.
As meninas conseguem ver o contador da estrela?
Eu não consigo e não faço a minima ideia do que lhe aconteceu.
Vou ter que começar do zero.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Carnaval



Só esta semana me apercebi que o Carnaval está mesmo aí à porta.
Perguntei-lhe se se queria mascarar este ano. Respondeu-me que a F. (professora) já estava a fazer a máscara dele.
Expliquei-lhe que a máscara da escola é para a escola mas ele podia escolher outra para os outros dias.
Ficou indeciso, não me deu resposta.
Ontem fomos às compras e logo à entrada estavam os fatos de Carnaval. Perguntei-lhe novamente.
Disse-me que sim e foi mostrando-lhe alguns fatos.
Zorro? Não
Batman? Não
Pirata? Não
Nenhum dos que lhe mostrei gostou.
Faltava um, aquele a que eu andava a fugir, mas teve mesmo que ser. O rapaz é de ideias fixas, não vale a pena tentar impor-lhe outra que não a dele. Era aquele e mais nenhum.
Agora adivinhem lá minhas amigas, qual é que ele escolheu!

Depois dou-vos a resposta, primeiro vamos ver se alguém acerta.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Imaginação I

Realmente as crianças têm uma imaginação que é obra, se não vejam só...

Há 15 dias, mais ou menos, num dia de chuva a caminho do futebol, diz-me o B.:
- Mãe, as coisas (para ele são tudo coisas quando não sabe o nome) daquele carro não são iguais às tuas!
- Quais coisas, filho?
- Aquelas de limpar os vidros!
- Os limpa pára-brisas?!
- Sim, Mãe! (já farto da minha ignorância)
- Não?! Não vi mas porquê?
- Porque os teus estão a jogar há apanhada (são paralelos) e os do outro estão há luta (cruzam-se a meio).
- Ah pois é! (rindo-me para dentro)
Nunca tinha visto por aquele prisma, mas o rapaz tem razão!

À apanhada e à luta

segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

O Prometido é devido...

E é para se cumprir.
E foi o que eu fiz ontem. Como tinha prometido ir beber um cafezinho com a Sofia lá fui eu pagar a minha promessa.
O tempo para os três dedos de conversa é que foi muito curto mas muito bom, infelizmente o Domingo é pequeno para se pôr as visitas todas em dia quando vou para aqueles lados.
O Bruno estava a dormir a sesta mas quando nos preparavámos para vir embora, ele acordou e ainda deu para nos dizer um olá.
O Bruno está lindo, as fotos não fazem jus ao seu encanto, é muito meiguinho e sorridente.
É uma amor de criança.
O B. esteve entretido a brincar com os brinquedos e a jogar com o meu telemóvel.
Quando viu o Bruno ficou encantado, ele adora crianças mais pequenas. Não tiveram muito tempo para brincarem juntos pois saímos praticamente logo a seguir.
Fica para uma próxima! Fica prometido. Esperemos é que não leve tanto tempo a acontecer como desta vez.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Minhas Amigas, passei aqui rapidamente para dizer que está tudo bem connosco, apenas tenho tido muito trabalho, a minha colega está de férias logo o trabalho de duas passa a ser só de uma, aqui a JE.



Em relação ao post anterior, obrigado pelas vossas palavras.
Quando tudo tiver resolvido, logo direi do que se trata. Desculpem não ser antes, mas não quero agoirar, já que tem tudo corrido tão devagar, devagarinho e agora parece estar quase, quase a terminar.
Falta o quase...

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Uma Luz ao fundo do Túnel I

Hoje deu-se mais um passo em direcção à resolução dos meus problemas.
Parece que é desta que desencalha, a ver vamos.
Não quero deitar foguetes antes da festa pois a situação de cada vez que parece estar a terminar acontece alguma para atrasar.
E já lá vão quase 11 meses desde que começou tudo, acho que está na hora de terminar e principamente a nosso favor, não acham?

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Há já à algum tempo que tinha prometido ao B. que iríamos.
E neste Sábado decidi que não passava daquele dia. Pôs para trás das costas as limpezas, a roupa e a casa e aí fomos nós rumo ao...



Cinema ver "A História de Uma Abelha".
ADOREI e ele também.
Acho que cada vez mais fazem filmes giríssimos e sempre com mensagem para as crianças. Lembro-me que na minha meninice os filmes mais bonitos eram os Contos Infantis da Disney, que passam apenas a mensagem da felicidade, no fim ficam "felizes para sempre". Como todos sabemos, muitas das vezes não é assim, não se pode transmitir apenas isso às crianças, temos que os fazer ver outras realidades e as novas produções de filmes tocam nesses assuntos, na amizade, no trabalho de equipa, no ajudar o próximo, no sermos todos diferentes e todos iguais...
Continuem que vão no BOM caminho e eu estarei para os ver :)
Depois rumámos em direcção à casa dos padrinhos do B. e por lá jantámos. Chegámos a casa mesmo a horas de "chichi, cama", pois já eram 22h30 e havia muito soninho e alguma birrinha a rondar.
Ontem foi mais um dia caseiro, nem o pijama tirámos, também com o dia cinzento que teve não apetecia mesmo sair do quentinho.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Tenho andado fugida...
Algum trabalho, falta de tempo e falta de vontade de escrever.
Do ano velho trouxe algumas questões por resolver que teimam em preocupar-me, teimam em deixar-me ansiosa.
Talvez já não falte muito para ficar tudo sanado mas enquanto tal não acontece ando assim, sem paciência, sem vontade, sem nada...
Desculpem-me se não vier dar noticias tão assiduamente.

Passagem de Ano

Sei que já vai com alguns dias de atraso mas aqui fica a notinha.
Foi com a mesma família que passámos no Natal mas com mais o meu Primo P. e a companheira O.
Desta vez foi do lado de cá, mais perto da nossa casinha.
Pela primeira vez, o B. apercebeu-se que se estava a comemorar alguma coisa e estava eufórico também, adorou a parte da abertura do espumante pelo barulho que faz, por ele tinhamos aberto mais de 10 garrafas, lol.
Ficou acordado até às 02h30, hora a que regressámos a casa. Assim que entrou no carro, aterrou e nem quando o tirámos do carro e lhe vesti o pijama acordou, fui seguido até às 13h. Muito querido o meu filhote, que deixa os papás descansarem até mais tarde.
Explicámos-lhe o significado do dia, o porquê de se comemorar e acho que percebeu, pelo menos comemorou connosco.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Natal

Foi bom. Lá na terra, onde reina a paz e a calma, o que eu estava mesmo a precisar para terminar este ano um pouco complicado.


Foi em família, desta vez mais completa por um lado e incompleta por outro.
Incompleta pois foi o primeiro Natal sem a Avó R. e mais completa pois passámos com tios que há mais de trinta anos não podiam passar connosco, são emigrantes em França.
Juntámos os quatro irmãos da parte do meu Pai, foi engraçado vê-los todos juntos.
Da geração mais nova erámos só nós, eu, o R. e o B, a única criança na casa. A única criança que suspirava pelo Pai Natal e ia contando os dias até ele chegar.
Teve direito a uma Árvore de Natal verdadeira, pequenina pois o espaço não dava para mais, mas era um pinheirinho de verdade.

Pela primeira vez, abriu as prendas dele no dia de Natal pois estava cansadito e não aguentou até à meia-noite, adormeceu antes mas não o fez sem me perguntar primeiro se o Pai Natal lhe deixaria um brinquedo, se entraria pela chaminé ou bateria na porta, onde deixaria a prenda, se ele o encontraria ali...
Os adultos abriram as prendas à meia-noite mas as dele ficaram junto à Árvore de Natal, para ele abrir no dia seguinte.
No dia 25, acordou e desceu para ir à casa de banho, depois voltou ao quarto e muito baixinho perguntou-me se o Pai Natal tinha vindo. Respondi-lhe que não sabia pois estava a dormir, não tinha dado por nada.
Então pediu-me para descer com ele para ir ver se estava alguma prendinha ao pé da árvore ou perto da lareira. Descemos...
Dirigiu-se devagarinho, como a medo, para a Árvore de Natal e a sua alegria ao ver aquelas prendas todas não tem explicação, ele só estava à espera de uma e apareceram-lhe várias, o seu ar feliz e admirado, os pulos que deu, o contentamento, não consigo transmitir em palavras o momento, vieram-me as lágrimas aos olhos ao ver o meu menino FELIZ.

Este ano ainda acreditou no Pai Natal para o próximo veremos. Já lhe dissémos que as prendas ou são dos Pai Natal dos Pais, ou do Pai Natal dos Avós, ou o dos Tios, fomos-lhe dizendo de quem eram as prendas como sendo do Pai Natal dessas pessoas, pode ser que assim suavize mais a verdade, a ver vamos.
Encontrou quase tudo o que pediu nas cartas ao Pai Natal, sim ele escreveu duas, uma na escola e outra em casa. Não recebeu tudo o que pediu pois já não encontrei duas ou três coisas mas recebeu outras que não pediu.
Deu por falta de uma que deixámos em casa e a explicação do R. foi que como ele escreveu duas cartas o Pai Natal entregou umas ali e se calhar a outras estariam em casa. No dia a seguir já se queria vir embora, nem quis ficar com os Avós, coisa que ele adora, tal não era a euforia dele.
Quando chegámos, foi espreitar à Árvore, encontrou lá prendas e eu disse-lhe que eram todas para mim. Aceitou e perguntou-me se poderia ajudar-me a abrir. Quando começaram a aparecer as letras do HotWeels disse-me logo que era para ele, que era uma pista e eu não brincava com pistas. Saltou de alegria, a prendinha que tinha dado por falta dela lá na terra, estava ali.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Olá Amigas e Visitas...

Já regressei de férias e em força mas como podem imaginar uma semana e meia fora e o começo do novo ano, dão algum trabalho.
Vim só mesmo dizer um olá no meu cantinho e assim que consiga começo as visitas e actualizo o blog.

Beijinhos Doces e até já